Mudar-se para Barcelona: 8 dicas para passar de turista a local

Language Specific Image

Vai despedir-se da família e dos amigos, espremer a sua vida numa mala (fechar o fecho é um inferno!) e mudar-se para Barcelona?

Mudar-me para Barcelona foi a minha MELHOR. DECISÃO. DE SEMPRE.

Viver nessa cidade movimentada significa mistério, história, arte, cultura, oportunidade, sol, montanhas, praias e uma vida social quase sem dormir! Vivi em Barcelona durante dois anos. Fiquei em Urquinoana, Placa Espanya, Santa Eulália e Verrei Amat, nos sofás de muitos amigos e até debaixo das estrelas (um banco de jardim). Aprende comigo a poupar dinheiro, a evitar meses de erros e a fazer figura de idiota.

Dica 1: Catalão vs Espanhol – Conheça a história como um estrangeiro.

A língua materna da maioria dos habitantes locais é o catalão. Falar espanhol ajuda, mas ter em conta as profundas raízes culturais de Barcelona distingue-o. A Catalunha tem uma história de guerra civil e de confrontos culturais com Espanha. Em 2017, os catalães protestaram contra o controlo do governo espanhol e votaram a favor da “Independência” da Catalunha. Eu estava (literalmente) preso no meio deste momento histórico.

Os catalães não gostam de ser chamados de espanhóis. Gostava de ter sabido isto antes de ter insultado alguém acidentalmente. Os habitantes locais interagiram comigo em espanhol, mas falar catalão (ou tentar fazê-lo) conquistou corações. Têm orgulho na sua cultura e na sua língua. “Adeu” é uma expressão catalã comum. É “adios” (adeus), mas pode significar mais. Aprende catalão. Fiz muitos mais amigos por saber o básico.

Dica local: Dois catalães gritaram “adeu” (pronuncia-se “a-day-you”), passando um pelo outro sem parar. Eles praticamente diziam: “Olá! Como estás? Tudo bem? Estou ótimo. Só estou ocupado. Falamos em breve!”.

Tudo numa palavra cheia de ação.

Dica 2: Como sentir a cidade e movimentar-se em Barcelona.

Esqueça o mapa. Abrace a deambulação. Ande a pé ou de bicicleta.

Devo ter percorrido todas as ruas, recantos e fendas. Fui longe numa hora, apreciando a beleza de Barcelona e a arte de rua, especialmente em: El Poble Nou, Bairro Gótico, El Born, El Raval, Sant Antoni e bairros vizinhos. Uma vez encontrei um bar de cocktails escondido dentro de uma loja, ao comprar uma sanduíche. Descobri os segredos de Barcelona a pé.

Os transportes públicos são óptimos para distâncias longas ou rápidas. Apanhávamos o metro na estação da Placa Catalunya e saíamos da cidade. Parávamos ao acaso e conhecíamos as pessoas, os parques, os cafés, os bares, os restaurantes e as festas de uma zona. Estas zonas são muito mais baratas, com coisas fixes para ver! Encontre opções de bilhetes que se adaptem ao seu orçamento e às suas necessidades de transporte. Pergunte no escritório dentro de uma estação ou visite o sítio Web da autoridade dos transportes.

Dica local: Não salte o torniquete e arrisque-se a uma multa de 100 euros ou mais. Isso também irrita os habitantes locais. Perdeu o seu bilhete ou não consegue comprar um? Peça ajuda (em catalão!). As pessoas são simpáticas.

Dica 3: Adeu Siesta, Hola Fiesta!

A cena festiva de Barcelona é loca. Festejei como se o mundo fosse acabar amanhã. As noites são selvagens, de segunda a domingo. Vai beber umas cervejas frescas à terça-feira à noite? Antecipe-se para chegar a casa às 3 da manhã. De discotecas e bares vibrantes a festivais de rua, músicos e artistas talentosos – a excitação arrebatou-me e deixou-me a pensar como é que eu estava tão bêbado numa quarta-feira de manhã.

Quando se mudar para Barcelona, esqueça as sestas da tarde. As sestas não são habituais, mas são mais comuns no Sul de Espanha e também estão a diminuir com a mudança de estilos de vida.

Dica local: Beber em bares e discotecas é caro. Compre bebidas em supermercados e beba antes no hostel ou em casa para evitar as minhas famosas manhãs de “porque é que gastei tanto dinheiro”. Além disso, ir a uma festa antes das 23h faz com que se pareça com um “guiri” (turista).

Dica 4: O que saber sobre a vida social quotidiana e a observação de pessoas.

Socializar em Barcelona é ao mesmo tempo descontraído e energético. Passei as tardes a apanhar sol (adeus à minha pele outrora bronzeada).

As refeições ao ar livre são divertidas e típicas. A maioria dos hostels tem terraços. Os restaurantes e bares também têm. Em comparação com as ruas apinhadas de gente, os espaços de esplanada são libertadores e refrescantes. As varandas também são bonitas para este efeito. Passei horas a olhar para as ruas da cidade, a saborear um café (cortado) ou uma cerveja (Estrella – a melhor cerveja local!), a conversar com amigos e a observar as pessoas a fazerem as suas coisas estranhas e maravilhosas.

Os parques não são apenas para piqueniques. Desça do Arco do Triunfo até ao Parque Ciutadella e encontrará um centro de comunidades. As pessoas levam os seus cães, saem para encontros e fazem actividades como ioga, andar na corda bamba, jogar frisbee, ler, ouvir música, testar ervas medicinais (tosse) e descontrair. Nos parques, as culturas cruzam-se de forma extraordinária. Fiz lá amigos fascinantes.

Dica local: não seja desordeiro. Os terraços e os parques são o local onde as pessoas se afastam do barulho. Acalma-te (tranquillo), meu. Além disso, os catalães (espanhóis) são francos. Não é rudeza. Dizem-nos as coisas como elas são e nem sempre dizem “por favor” ou “obrigado”.

Dica 5: Comer (muito) mais do que apenas paella e tapas.

Eu adorava paellas e comi um milhão de tapas – sem exagero. Mas Barcelona é um paraíso para os gourmets, sejam os kebabs desleixados que vão para casa depois de uma festa ou sentar-se com boa companhia a saborear uma tortilha de batata (com bacon). A próxima refeição é sempre de babar.

Eu comia pão 3 vezes por dia. As baguetes são frequentemente cortadas em fatias, regadas com azeite, esfregadas com tomate cru e servidas com “jamon” (presunto ou carnes frias) como “bocadillos”. Experimente a Calcotada, uma tradição culinária catalã que envolve cebolas de janeiro a março, e as castanhas de La Castanyada no início de novembro.

A minha comida preferida foi o “fuet”. É a versão catalã do salame enrolado – com esteróides. Poucas coisas são melhores do que os droewors sul-africanos, mas o fuet é. Eu era um famoso comedor de fuet. Os olhares eram estranhos porque sou um grande apreciador de maionese, por isso adivinhe para onde foi o fuet… A maioria das regiões faz o fuet à mão de forma diferente. Comi-os todos, ou estive mesmo perto. Uma vez, comi fuet durante uma semana e vivi para contar a história.

Dica local: A qualidade da comida, a autenticidade e a higiene são questionáveis se um restaurante tiver um menu ilustrado no exterior.

Dica 6: Experiências obrigatórias quando se muda para Barcelona.

Paisagens: Barcelona está repleta de maravilhas naturais. Praias sem ondas, montanhas de cortar a respiração, paisagens milenares. Caminhe pelo Mont Juic e Tibidabo, ou dirija-se ao Bunker’s del Carmel para uma impressionante vista livre de toda a cidade!

Cultural: Passar a noite na praia com os amigos para a festa de S. João (23 de junho). Compre rosas e livros para a sua paixão em St. Jordi (23 de abril). Junta-te a um grupo de Castellers (torre humana). Envolve-te nos costumes catalães! Visita o Museu de Arte Contemporânea. Facto engraçado: Eles permitem andar de skate no exterior porque é considerado arte contemporânea. Certifica-te de que compras comida autêntica nos mercados de rua.

Urbano: Visite Girona, Badalona, Tarragona, Costa Brava e Sitjes.

Montanhas: Explore Montserrat e regiões dos Pirinéus como Camprodon, Mollo com os seus cavalos selvagens, Monsteyn e Gosol. As pequenas cidades (pueblos) têm uma história e cultura ricas (e fuet). Picasso passou alguns anos de formação em Gosol.

Bares: Vá ao La Ovella Negra (A Ovelha Negra – há dois – ambos são espectaculares), La Surena (5 euros por um balde de cerveja), Mint bar, The Limehouse, L’antic teatre, El Jardi, e bares nos telhados para apreciar a vista.

Clubes (discotecas): Razzmataz, Jamboree, Moog e festas no Poble Espanol.

Dica local: Viver em Barcelona significa viver uma vida de praia. Existem zonas de nudismo onde os habitantes locais deixam tudo à vista. Não fiques a olhar. Usa óculos de sol. Não se preocupe.

Dica 7: Armadilhas turísticas a evitar como a peste.

O turismo é uma parte enorme da economia local. Eis como manter o dinheiro no bolso quando se muda para Barcelona.

Las Ramblas: Passeie e veja. NÃO se sente para comer ou beber nada. Vá para zonas mais calmas. Além disso, os rapazes vão oferecer-lhe todas as substâncias ilícitas que possa imaginar; ignore-os para seu próprio bem. As excursões para festas em Las Ramblas são uma desilusão. No dia seguinte, estará sobrecarregado, aborrecido e infeliz.

Sagrada Família: É uma visão incrível para ver de fora. Mas eu gostaria de não ter gasto 35 euros para entrar. Aparentemente, se assistir aos serviços religiosos, pode entrar de graça.

1-Euro Bar (Tot 1 Euro): Tudo, 1 Euro?! Inscreve-me. Paragem. Estava superlotado. Espera-se uma eternidade pelo serviço. Juro que o álcool é misturado com aguardente. Sentia-me sempre mal no dia seguinte depois de uma ou duas bebidas.

Praia de Barceloneta: Experimente, não passe o dia. Barcelona tem uma bela linha costeira. Os locais vão para outras praias. Barceloneta é basicamente britânica. Além disso, há muitos roubos.

Câmara Municipal (de merda): Se estiveres num albergue, eles levam-te lá porque os albergues têm acordos de entrada. Esta discoteca é má. Se fores, vai com amigos.

Dica local: Na praia de Barceloneta, oferecem-te bebidas. Nunca bebas os “mojitos”. NUNCA. Se tiveres de beber, pede algo numa lata fechada. Será muito caro, mas negoceie com eles. Ou então, traga as suas próprias bebidas.

Dica 8: Precauções de segurança pessoal a tomar.

Barcelona é conhecida pelos pequenos crimes, mas pode ser mais perigosa. Eis como estar um passo à frente (nunca fui assaltado).

Não seja vistoso nem se torne um alvo óbvio, especialmente depois de uma bebida. Os ladrões trabalham normalmente aos pares ou em grupos e vêem-no a quilómetros de distância. Distraem-no perguntando: “Qual é a sua equipa de futebol preferida?”, “Tem um isqueiro?”, “Que horas são?”, “Quer (alguma coisa)…” para iniciar uma conversa. Não deixe que um estranho lhe toque! Eles agem rapidamente e desaparecem com os seus objectos de valor.

Os ladrões raramente usam tácticas de intimidação sérias, mas acontece. Andar em grupos com rapazes é um fator de dissuasão para os bandos de oportunistas – que preferem alvos mais fáceis. Se o provocarem, ignore-os. Eles querem uma reação e depois roubam-no.

Os ladrões estão a ficar espertos nos Hostels; não deixe as suas malas espalhadas. Coloque-as no seu quarto e tenha cuidado com os cacifos. Certifique-se de que os funcionários ou outros alberguistas não sabem o seu código. Além disso, mantenha uma cópia da sua identificação consigo onde quer que vá.

O crime é uma merda. Não deixes que isso te assuste. Tem o juízo na mão. Vai correr tudo bem.

Dica local: Mantenha-se alerta nos transportes públicos. Quando as portas se fecham, os ladrões roubam colares, bolsas, telemóveis, etc. e correm para que não os possa perseguir. Nunca durma em comboios ou autocarros, nem abra os bolsos (desculpa, Patty).

 

Considerações finais sobre a mudança para Barcelona.

Viver em Barcelona não é barato. Reduza os custos indo onde os locais vão e fazendo o que eles fazem. Não foi fácil mudar a minha vida e ir para um país estrangeiro, mas valeu a pena.

coisas que podes pesquisar antes de te mudarespara Barcelona. Depois, há coisas que se aprendem no fundo do poço. Esta foi sobretudo a parte do “uau”. O mais assustador é que ainda só arranhei a ponta do icebergue. Ao viver lá, apercebemo-nos de que, tal como o molho, o enredo engrossa rapidamente.

Muitas pessoas que se mudaram para Barcelona comigo ficaram, porque a qualidade de vida em Barcelona é rara, valiosa e surpreendente, no melhor dos sentidos.

Fazer amizade com uma equipa de catalães enriqueceu a minha experiência!

Veja por si próprio.

Descarregue a aplicação Hostelworld para começar a conhecer pessoas a partir do momento em que faz a reserva


Também pode gostar…

Como descobri que era neurodivergente enquanto viajava sozinho

10 dificuldades de um viajante a solo

Get the App. QRGet the App.
Get the App. QR  Get the App.
Scroll to Top