Onde ficar em Malta: um guia para iniciados

Malta é muitas vezes esquecida pelos mochileiros, mas este pequeno arquipélago tem muito a oferecer, não menos importante, a sua abundância de excelentes hostels e guesthouses. Para o ajudar, escolhemos as melhores áreas para visitar e os melhores hostels em Malta para ficar. Este é o nosso guia interno sobre onde ficar em Malta.

Muitos assumem que este destino é mais adequado para uma pausa de voar e voar. Mas, embora Malta tenha as suas estâncias de férias, tem muito mais do que sol, mar e areia (embora, claro, também tenha muito disso). O arquipélago maltês é constituído por um trio de ilhas de cortar a respiração no Mediterrâneo, e cada uma delas tem o seu próprio carácter particular.

Malta é a maior das três ilhas, impressionando os visitantes com a sua costa escarpada, as aldeias piscatórias e a capital do século XVI, Valeta, que é Património Mundial da UNESCO na sua totalidade. A maior parte dos viajantes concentra a sua atenção nesta ilha e no grande volume de maravilhas que consegue amontoar nas suas costas rochosas.

Apesar da pequena dimensão da ilha, as suas cidades e bairros mantêm a sua própria vibração individual. Há Valeta, claro, cujas ruas secundárias se separam de um centro animado repleto de galerias, museus e restaurantes malteses. Depois, há Sliema, mesmo do outro lado da água, cuja cultura de cafés e cena artística lhe conferem uma atmosfera que contrasta com a da pitoresca capital.

Um pouco mais a norte, em St Julian’s, encontrará a melhor vida nocturna da ilha, para além de muitos albergues e locais para passar o tempo junto à água. Ainda mais a norte, a zona de St Paul’s Bay é a melhor para os amantes da praia que procuram uma escapadela relaxante.

Provavelmente também quererá passar algum tempo em Gozo. Enquanto algumas partes de Malta foram sendo construídas ao longo dos anos, Gozo permanece gloriosamente livre de edifícios altos. Caracteriza-se pelo seu campo e costa intactos e tem uma cena gastronómica dominada por produtores locais.

No que diz respeito ao alojamento, encontrará albergues interessantes em Sliema e St Julian’s, enquanto Valeta e a área de St Paul’s Bay tendem a ter hotéis e pensões mais económicos. Em Gozo, encontrará uma mão-cheia de ambos.

Se se instalar em qualquer uma das áreas abaixo, será abençoado com boas ligações de autocarro e ferry para outras partes da ilha. As rotas de autocarro também atravessam Gozo, embora tenha um pouco mais de liberdade se alugar um carro. Os ferries também ligam Gozo a Comino e a Malta.

Onde quer que decida acampar, ficará certamente encantado com esta ilha mediterrânica – para começar, eis o nosso guia área a área sobre onde ficar em Malta.

where to stay in malta - view of land by the sea

Foto de Ferenc Horvath

Ir diretamente para:

Valeta: a melhor zona de Malta para as grandes atracções turísticas e culturais

  1. O que fazer em Valeta
  2. Onde comer em Valletta
  3. Melhores albergues em Valletta

Sliema: a melhor zona de Malta para fazer compras e passear à beira-mar

  1. O que fazer em Sliema
  2. Onde comer em Sliema
  3. Melhores albergues em Sliema

St Julian’s: a melhor zona para a vida nocturna e para estar com a malta fixe

  1. O que fazer em St Julian’s
  2. Lugares para comer em St Julian’s
  3. Melhores albergues em St Julian’s

A área de St Paul’s Bay: a melhor área para dias de praia e para explorar o norte de Malta

  1. O que fazer em St Paul’s Bay
  2. Onde comer em St Paul’s Bay?
  3. Melhores albergues em St Paul’s Bay

Gozo: área de bónus

  1. O que fazer em Gozo
  2. Onde comer em Gozo
  3. Melhores albergues em Gozo

Valletta: a melhor zona de Malta para as grandes atracções turísticas e culturais

A capital de Malta pode ser compacta, mas poderia passar dias a fio a absorver tudo o que a cidade tem para oferecer. Uma das bases mais populares para os viajantes, Valletta é o coração cultural de Malta. A cidade é simultaneamente um museu de história viva, com as suas muralhas fortificadas e igrejas centenárias, e um viveiro de cultura contemporânea.

O facto de ter sido Capital Europeia da Cultura em 2018 deu uma nova vida à cidade e os seus edifícios barrocos albergam galerias de arte, centros culturais, restaurantes tradicionais malteses e muito mais.

Valletta é também um centro de transportes, pelo que os mochileiros podem aceder facilmente a outras partes da ilha, desde as aldeias do sul de Malta às praias do norte. Se não está a planear alugar um carro durante as suas viagens, ficar na capital dá-lhe liberdade para explorar.

Não é de surpreender que também haja uma abundância de lugares para ficar -Valletta tem tudo, desde hotéis boutique chiques a opções mais simples, perfeitas para mochileiros. No entanto, tenha em atenção que, dada a popularidade de Valeta, o alojamento pode por vezes ser mais caro do que noutros locais. Especialmente durante a época alta (junho-agosto), terá também de reservar com bastante antecedência para garantir a sua primeira escolha.

where to stay in malta - harbour view with sunset Imagem de Kirk Fisher

O que fazer em Valeta

Se quiser começar a sua aventura maltesa com os pontos turísticos mais importantes, dirija-se à Co-Catedral de São João. Não é raro ver uma fila à porta deste edifício do século XVI, com o seu interior barroco brilhante e as suas pinturas de Caravaggio. Se só vir uma atração histórica durante a sua estadia em Valeta, faça-o nesta.

Para obter as melhores vistas da cidade, dirija-se aos Jardins Upper Barrakka. A entrada neste oásis repleto de flores é gratuita e oferece-lhe vistas deslumbrantes sobre o Grand Harbour. Poderá também avistar as imponentes Três Cidades que se situam em frente a Valeta: Cospicua, Senglea e Birgu. Os poderosos arcos do jardim são também um local favorito para os fotógrafos.

Mas, embora Valeta tenha muitas atracções, a melhor maneira de absorver a cidade é simplesmente passear pelas suas ruas secundárias. Aprecie os edifícios cor de mel com as suas varandas coloridas e vislumbre o oceano enquanto espreita pelas ruelas estreitas. As ruas de Valeta estão dispostas em grelha, pelo que são fáceis de percorrer – no entanto, use sapatos confortáveis, uma vez que os passeios da cidade podem muitas vezes revelar-se um pouco precários. Ao longo do caminho, irá deparar-se com os habituais cafés e bares das ruas laterais, além de surpresas como a Blitz, uma galeria indie de bolso escondida numa moradia.

Os amantes da arte também vão adorar o Centre for Creativity (ou Spazju Kreattiv). Este espaço fresco no forte St James Cavalier atrai o público hipster de Valletta com o seu cinema de arte e as suas exposições de arte contemporânea. O museu de arte mais tradicional MUŻA, que abriu em 2018 no Auberge d’Italie, também merece uma espreitadela.

Quando a noite cai, o melhor sítio para estar é na Rua do Estreito de Valeta. Outrora apelidada de “The Gut”, esta rua pouco iluminada era sinónimo de prostituição e de bebedeira. Atualmente, é a casa de bares, restaurantes e locais de música ao vivo da moda – o Tico Tico e o Rocks Wine Bar são locais muito populares.

Não deixe de ver também o que se passa no Pjazza Teatru Rjal. Este local de música ao ar livre, no centro da cidade, foi construído a partir das ruínas da antiga Royal Opera House, e tem frequentemente espectáculos gratuitos.

Dadas as excelentes ligações de transportes de Valeta, a cidade é a base perfeita para explorar outras partes da ilha. Apanhe o autocarro na direção sudoeste para a Gruta Azul, uma rede de belas grutas que podem ser exploradas de barco. As cavernas são famosas pela forma como a luz brinca nas suas paredes, fazendo com que adquiram tons de azul e laranja. Também pode viajar para oeste até à fortificada Mdina, outrora a capital de Malta.

As aldeias piscatórias do sul também oferecem uma amostra da vida tradicional maltesa. Marsaxlokk é uma paragem popular, conhecida pelo seu movimentado mercado de peixe aos domingos e pelas suas águas salpicadas de luzzu (barcos de pesca tradicionais malteses). Se ficar com vontade de explorar mais o sul, poderá pernoitar no Xrobb L Ghagin Hostel, situado no parque natural com o mesmo nome.

where to stay in malta - view of valletta overlooking the sea

Locais para comer em Valeta

A comida tradicional maltesa é geralmente reconfortante e sem complicações – pense em guisados de carne e peixe, sopas e muito pão e pastelaria – e não terá problemas em prová-la em Valeta. Encontrará praticamente todo o tipo de iguarias maltesas escondidas nas ruas da cidade e os restaurantes variam entre locais tradicionais acolhedores e locais peculiares que servem cozinha internacional.

Um prato que certamente aparecerá nas ementas de toda a cidade é o stuffat tal-fenek, ou guisado de coelho. Uma das iguarias mais tradicionais de Malta, este guisado quente é feito com vinho tinto, vegetais de raiz e muita cebola e alho. Ravjul tal-fenek (ravioli de coelho) é outra escolha popular. Prove-o no Nenu the Artisan Baker: apesar do nome, este restaurante descontraído oferece uma longa série de pratos malteses, desde pratos de coelho até ao imqarrun il-forn, uma espécie de macarrão cozinhado.

Também vale a pena experimentar a ftira, um pão maltês que se encontra em locais de comida de rua e em cafés e restaurantes descontraídos. Um almoço perfeito para levar, está normalmente repleto de recheios como atum, alcaparras e azeitonas. O Nenu também faz uma boa ftira, enquanto o café 67 Kapitali , que está na moda, serve a sua com uma grande seleção de cervejas artesanais.

A cena gastronómica maltesa é também fortemente influenciada pela Itália (o que não é surpreendente, dada a sua localização no Mediterrâneo) e Valeta tem uma grande concentração de excelentes restaurantes italianos. É obrigatório experimentar o Pastaus, um bar de massas frescas perto da Strait Street: escolha a sua massa, adicione o seu molho e depois espere nos arredores artísticos do restaurante enquanto a massa é preparada na hora.

Uma óptima opção para grupos, entretanto, é o Mercado Alimentar de Valletta: Is-Suq Tal-Belt. Uma série de vendedores tentadores reúne-se nesta sala de comida coberta na Merchants Street. Pare no Ta’ Kelinu para provar alguns dos tradicionais bolos e doces malteses. É a oportunidade perfeita para experimentar um pastizz, um doce maltês muito apreciado, normalmente recheado com ricota ou puré de ervilhas.

Melhores hostels em Valletta

Embora Valeta não tenha falta de lugares para ficar, não é a melhor área para os tradicionais albergues para mochileiros (a maioria deles está localizada nas proximidades de St Julian’s e Sliema – veja abaixo). No entanto, se estiver decidido a ficar na capital, existem algumas opções de alojamento mais simples para quem viaja com um orçamento limitado.

O Palazzo Sant Ursula é uma casa de hóspedes económica a minutos da praça principal de Valeta, a Praça de São Jorge. O terraço comum no telhado, banhado pelo sol, significa que ainda tem o ambiente de um hostel e pode partilhar dicas com os seus companheiros de viagem. Os quartos são pitorescos e acolhedores, com madeira escura, roupa de cama com padrões e obras de arte eclécticas.

Outra boa opção é o British Hotel, de nome simples. Perto do centro pedonal de Valletta, este hotel simples é propriedade de uma família e é económico. Há também áreas comuns confortáveis, como uma sala de televisão e um terraço no telhado, para que possa conhecer outros mochileiros se estiver a viajar sozinho. Os quartos são básicos, mas confortáveis, e pode até acabar por ficar com vista para o mar.

Sliema: a melhor zona de Malta para fazer compras e passear à beira-mar

where to stay in malta - sliema - inside a church

Imagem por photosforyou

Do outro lado da água de Valletta, Sliema é uma zona mais moderna, repleta de restaurantes, lojas e locais para ficar. Enquanto a capital está repleta de edifícios pitorescos do século XVI, Sliema é mais conhecida pelos seus elegantes estabelecimentos comerciais, arranha-céus e cultura de cafés contemporânea. É também uma zona mais residencial do que Valeta (que tem apenas cerca de 6.000 habitantes permanentes).

Os viajantes são atraídos para Sliema pela sua vibração animada e descontraída, principalmente devido ao passeio marítimo que abraça a costa. Aqui, os turistas convivem com os habitantes locais em cafés à beira-mar com vistas deslumbrantes para o mar. Se o que lhe apetece são as tradicionais ruas secundárias maltesas, poderá encontrá-las longe da orla marítima. Em direção ao centro de Sliema, os grandes edifícios modernos dão lugar a casas cor de areia com varandas que fazem lembrar Valeta.

Em Sliema, os preços são ligeiramente mais baixos do que na capital e, ao contrário de Valeta, a escolha de pousadas é muito vasta.

Sliema também está bem servida de ligações. O ferry para a capital demora menos de 10 minutos e custa apenas 2,80 euros por um dia de regresso para um adulto. A partir da capital, os autocarros levam-no para onde quiser ir. Os barcos que partem para destinos deslumbrantes como Gozo e Comino também partem de Sliema.

O que fazer em Sliema

Sliema não tem tantas atracções históricas e culturais como Valletta, mas ainda há muito para o manter ocupado. E, de qualquer modo, a principal atração de Sliema são as suas vistas épicas. A zona à beira-mar, de onde partem os ferries para Valeta, é onde se obtêm as vistas da capital dignas de um postal – de facto, vale a pena apanhar o ferry só pelas vistas. Noutros locais, as margens de Sliema oferecem vistas de cortar a respiração sobre o oceano aberto.

Passe uma tarde ou uma noite agradável a passear ao longo do passeio marítimo, que se estende junto à movimentada Tower Road. O percurso levá-lo-á ao longo da costa de Sliema, desde Gżira até à movimentada St Julian’s – terá as praias rochosas de Sliema de um lado e uma generosa dose de bares e cafés do outro.

Muitos habitantes locais e mochileiros também optam por dar um mergulho no oceano em Sliema. Esta parte da costa é caracterizada por grandes pedaços de arenito que se projetam no mar e é comum ver banhistas descansando nas rochas. Em vários pontos da costa, há também grades de metal ou degraus de pedra que descem até à água para os banhistas, e até mesmo “banhos romanos” completos – piscinas artificiais cortadas na rocha.

Os viciados em compras sentir-se-ão em casa em Sliema, cuja oferta comercial vai desde pequenas boutiques locais a grandes marcas de rua. Encontrará o maior número de opções na zona de Tigné Point e ao longo da Bisazza Street e da Tower Road.

Os amantes da arte contemporânea também apreciarão as várias galerias independentes de Sliema. Destaca-se a Lily Agius Gallery, que exibe obras contemporâneas de artistas malteses e internacionais, e que também organiza leituras e sessões de ioga. Há também a íntima Christine X Art Gallery, que se concentra em artistas emergentes.

No verão, a sua viagem deve coincidir com o Festival de Arte de Sliema, quando os artistas de rua iluminam a cidade com obras pintadas em cartazes gigantes. Há também barracas de comida de rua e música ao vivo. Fique de olho nos murais peculiares ao redor da área durante todo o ano também.

Se gosta de estar na água, também vale a pena juntar-se a um dos passeios de barco pelo Grand Harbour que partem de Sliema. É um pouco turístico, sim, mas não é de deitar fora – desfrutará de vistas deslumbrantes e descobrirá a rica história desta parte de Malta.

Locais para comer em Sliema

De certeza que não passará fome em Sliema. Esta fatia moderna de Malta é um deleite para os apreciadores de comida, com locais modernos que servem cozinha global, bem como restaurantes mais tradicionais.

Procure locais que sirvam pratos malteses. Muitos locais oferecem estes pratos de degustação como entrada e normalmente incluem queijo maltês, azeitonas, pão e salsichas, para além de molhos como a bigilla, que é feita de favas.

O bistro Ta’Kris oferece um saboroso prato maltês e também serve pratos básicos como o ravioli de ricota maltês (um para os legumes), haruf il-forn (pernil de borrego assado no forno) e bragioli, um prato de carne de vaca recheado com mais carne picada e ervas, depois mergulhado num rico molho de tomate.

Está com dificuldades em escolher entre os cafés à beira-mar? Opte pelo Mint, uma opção moderna e luminosa com foco em produtos locais e orgânicos. Espere pratos frescos emprestados de todo o mundo, desde saladas repletas de vegetais até tagine marroquino.

Se estiver à procura de almoço ou de um snack para levar, Sliema é também o local ideal para comida de rua internacional. Uma mão-cheia de vendedores populares pontua a cidade, incluindo o adorado carrinho de salsichas bávaras (que faz o que diz na lata) e o Krepree, que serve crepes doces e salgados.

Muitas vezes apontada como a melhor pizzaria da ilha, a Vecchia Napoli não desilude. A pizzaria obtém a sua farinha e a sua mozzarella de Itália, e o pessoal foi treinado tanto em Nápoles como em Milão. A sua especialidade é o Calzone Capo di Monte, com prosciutto, creme de trufas e quatro queijos italianos.

Melhores albergues em Sliema

Quando se trata de albergues, Sliema é uma das melhores áreas da ilha. As opções variam de alojamentos boutique a lugares mais simples de gerência familiar. Também tendem a ser bastante calmos e descontraídos – são albergues onde pode descansar a cabeça e conviver com outros viajantes, em vez de locais de festas ruidosas. Mas, dada a vibrante vida nocturna de Sliema, isso não significa que tenha de ter uma noite tranquila.

Uma das ofertas mais inteligentes de Sliema é o Two Pillows Boutique Hostel. Pode optar por ficar num dos elegantes dormitórios ou por um quarto privado (estão decorados com arte abstrata e mobiliário luminoso). Apesar da indubitável elegância do hostel, ele consegue manter o seu ambiente descontraído. Absorva a atmosfera numa das áreas comuns, desde o lounge descontraído até à área de churrasco ao ar livre.

O Hostel 94 é outra escolha moderna com dormitórios limpos e espaçosos, um terraço e um lounge. Uma moradia convertida, tem um ambiente um pouco mais calmo do que o Two Pillows, mas muitos funcionários simpáticos estão à disposição para o ajudar. Este é ideal para os viajantes que procuram um refúgio acolhedor do famoso burburinho de Sliema.

Também não há como errar com o Granny’s Inn Hostel. Ótimo para viajantes sociáveis, o hostel tem um terraço onde pode passar algum tempo com outros mochileiros e desfrutar de uma bebida ou de um churrasco. Fica também a uma curta distância a pé das atracções de Sliema, e os murais e vasos de plantas são também toques agradáveis.

St Julian’s: a melhor zona para a vida nocturna e para conviver com a malta fixe

Os noctívagos devem basear-se em St Julian’s, uma cidade costeira mesmo ao lado de Sliema. Esta parte movimentada da ilha é mais conhecida pelos seus bares e discotecas, que se concentram sobretudo numa zona chamada Paceville.

St Julian’s também está totalmente preparada para os viajantes – há imensos locais para ficar, mas é também um local popular para os habitantes locais que procuram descontrair e aproveitar a vida nocturna. Talvez devido à elevada concentração de turistas, a zona tem um ambiente contagiante e animado. Os hotéis Uber-luxuosos partilham a área com hostels para mochileiros, e os restaurantes vão desde cafés da moda a locais para refeições requintadas.

Os bebés aquáticos também vão adorar a localização à beira-mar de St Julian – a área oferece um sabor da vida na praia com o seu longo passeio marítimo e um recanto de areia artificial popular entre os nadadores. Pense em sol, mar e a promessa de cocktails ao pôr do sol.

where to stay in malta - st julian's view of harbour with boats and promenade

Imagem por DorianPro

O que fazer em St Julian’s

St Julian’s não é o melhor sítio para fazer turismo. Mas o que falta a esta zona em termos de atracções históricas e culturais, é mais do que compensado com os seus locais noturnos, a sua gastronomia e uma série de locais para passar tempo à beira-mar.

Um dos locais preferidos para passar uma tarde é a Baía de São Jorge. Malta não é conhecida pelas suas praias de areia, sendo a maior parte da costa constituída por linhas rochosas – mas St George’s, construída pelo homem, contraria a tendência. George’s contraria a tendência. A sua extensão de areia dourada atrai os turistas que procuram o sol e os estudantes da zona, que se aquecem debaixo de guarda-sóis entre os mergulhos no mar.

Tal como Sliema, St Julian’s é melhor apreciada com um passeio ao longo do amplo passeio marítimo que abraça a costa. Ao longo do passeio, é possível observar os luzzu – os tradicionais barcos de pesca malteses – bem como os iates vistosos que evocam sonhos de uma vida em alta.

Pode passear até Spinola Bay, uma parte encantadora de St Julian’s, com restaurantes à beira-mar com luzes de fadas e barcos a baloiçar. Tome uma bebida aqui – é especialmente bonito à noite – ou simplesmente sente-se num dos muitos bancos e relaxe um pouco.

Também verá muitos viajantes aqui reunidos em torno da Estátua do Amor – grandes letras de pedra soletram a palavra “LOVE” na zona portuária e é um ponto de paragem para os mochileiros que procuram aquela fotografia perfeita para o Instagram. Um dos feitos arquitectónicos mais bonitos de St Julian’s é o Palácio Spinola, de estilo barroco, nas proximidades, por isso não deixe de dar uma espreitadela enquanto estiver na zona.

Ao cair da noite, dirija-se a Paceville, o local noturno mais badalado de toda a ilha. Se gosta de discotecas, o Sky Club é um dos maiores locais de toda a Malta, com música de dança até de madrugada e, ocasionalmente, música ao vivo. Havana 808, com os seus espectáculos de R&B e hip-hop, é outro dos locais favoritos.

Prefere um bar? Também há imensos em St Julian’s. As melhores escolhas incluem o pub casual Saddles, o bar de cocktails ao estilo dos anos vinte The Thirsty Barber e o super descontraído Native Bar, que também dá aulas de salsa gratuitas.

Locais para comer em St Julian’s

Tendo em conta a enorme variedade de locais que aqui se oferecem, St Julian’s é um dos melhores locais para jantar em Malta. As ruas estão repletas de restaurantes, que se espalham pelos passeios e pela beira da água, e pode encontrar tudo, desde cozinha asiática a pratos mediterrânicos frescos.

Uma óptima opção para o almoço é a moderna praça de alimentação Carob Tree, na zona de Spinola. Esta elegante zona de restauração é preferida pelos jovens locais que procuram um almoço rápido ou um local para se encontrarem com amigos. As opções aqui incluem o TukTuk, um moderno vendedor de comida de rua do sul da Índia que serve dosas e kati rolls, e o Brass and Knuckle para hambúrgueres e bifes. Termine com um doce da sala de sobremesas Ina’s (pense em gelados artesanais e uma variedade de bolos), além de cerveja artesanal do Lot 61.

Jantar à beira-mar é uma obrigação em St Julian’s, mas o volume de lugares pode tornar difícil a escolha de um local. O restaurante Gululu fica mesmo à beira da água e é uma das melhores escolhas da zona. É um local acessível que serve pratos típicos de Malta com um toque moderno. Prove a pizza ao estilo maltês, o mizè quente e frio (a resposta de Malta ao mezze), ou entradas como o fenek moqli (coelho frito com alho e tomilho). Se não houver lugar no exterior, o alegre interior continua a ser um espaço encantador.

O Piccolo Padre, perto de Sliema, é outro ótimo restaurante à beira-mar. O menu está repleto de massas e pizzas acabadas de fazer, para além de alguns clássicos malteses, como os bragioli.

A cultura dos cafés de St Julian’s também está viva e de boa saúde. Encontrará muitos habitantes locais no Café Ole, uma opção simples que serve um café decente, bem como sopas, ftira e tartes. O Crudo, de estilo italiano, é outra boa paragem para café que também serve pequeno-almoço, focaccias e vinho.

Melhores albergues em St Julian’s

É garantido que vai encontrar um ótimo lugar para ficar em St Julian’s. Há uma abundância de hostels brilhantes nesta área e as escolhas variam de boutiques modernas a retiros boémios. Tal como em Sliema, as pousadas aqui têm geralmente um ambiente descontraído, que será bem-vindo depois de experimentar a agitação de St Julian’s.

Uma das melhores opções é o Marco Polo Hostel, uma escolha amigável, óptima para conhecer outros viajantes, onde pode escolher entre um quarto privado elegante ou um dormitório luminoso. A principal atração do hostel é o seu espaçoso terraço no telhado, com sofás, bancos de piquenique e vasos de plantas – venha até aqui para uma bebida ou para um dos animados churrascos organizados pelo hostel. Não se esqueça também de participar nas viagens de grupo planeadas para os hóspedes – estas vão desde pub crawls a excursões a Comino e Gozo. A malta do Marco Polo também é proprietária do Hostel Malti: este local tem um ambiente semelhante, com dormitórios coloridos, um terraço no telhado e até uma banheira de hidromassagem.

OInhawi Hostel é outra base popular para os mochileiros. Este hostel boutique é um pouco mais calmo do que o Marco Polo, com um terraço e até uma piscina perfeita para relaxar depois de um dia de turismo, ou antes de uma saída à noite em Paceville. Os dormitórios são minimalistas e elegantes, e você pode até mesmo encher-se de um pequeno-almoço gratuito para começar o seu dia.

Outro retiro relaxante é o Boho Hostel. Este lugar, com o seu exuberante jardim e pátio e áreas comuns acolhedoras, é um refúgio pacífico do tumulto de St Julian’s. No entanto, não deixa de ser um local sociável: os simpáticos funcionários podem ajudá-lo a planear o seu itinerário maltês e também organizam excursões em grupo e actividades onde pode conhecer outros viajantes. É uma óptima escolha para as borboletas sociais que também valorizam um pouco de sossego.

A zona de St Paul’s Bay: a melhor área para dias de praia e para explorar o norte de Malta

Poucos mochileiros ficam nesta região durante as suas viagens, mas a área de St Paul’s Bay é uma óptima base para explorar o norte de Malta. A zona norte de Malta tem algumas das praias mais bonitas da ilha e é também mais fácil chegar às ilhas vizinhas de Comino e Gozo.

O município mais alargado de St Paul’s Bay inclui a própria cidade de St Paul’s Bay e as aldeias adjacentes de Buġibba e Qawra, ambas populares entre os turistas. Enquanto St Paul’s Bay está no lado mais calmo, tanto Buġibba como Qawra atraem muitos viajantes com a sua vibração agitada e uma infinidade de cafés e restaurantes. Um passeio marítimo pavimentado liga as três cidades, pelo que pode passear entre elas se assim o desejar.

Se o que procura é história e um sentido definido da cultura maltesa, St. Paul’s Bay poderá não o proporcionar, mas se o que pretende é um ambiente de férias agradável e boas ligações a algumas das atracções naturais de Malta, vale a pena considerar esta área. Uma excelente rede de autocarros significa que é muito fácil ir para além das cidades e conhecer outros cantos da ilha.

Vale a pena notar também que aqui encontrará mais hotéis do que albergues tradicionais, mas muitos deles são acessíveis para um orçamento de mochileiro.

where to stay in malta - st paul's bay area - beach view

O que fazer na área de St Paul’s Bay

Esta área está mais vocacionada para divertir os viajantes do que para mostrar o património e a cultura, mas há um punhado de locais históricos que pode visitar se quiser. O mais interessante é a Torre Wignacourt: um forte do século XVI que oferece vistas incríveis sobre a baía. Para os amantes da vida selvagem, a Reserva Natural de Salina também merece uma visita – neste local cénico, pode observar uma variedade de espécies de aves a brincar sobre as salinas.

A praia de Ta` Fra Ben (também conhecida como praia de Qawra Point) é o areal mais popular desta zona em particular. Encontrará habitantes locais e turistas nesta extensão rochosa e de seixos e as águas geralmente calmas tornam-na um local perfeito para um mergulho. Se estiver à procura de uma alternativa arenosa, há também a Buġibba Perched Beach. É verdade que este areal é feito com areia artificial, mas não deixa de ser um local pitoresco para umas horas de banhos de sol.

Depois de esgotar as vistas e os areais nas imediações, aproveite as excelentes ligações de transportes aqui existentes e rume a norte. A Baía de Għadira pode ser facilmente alcançada de autocarro a partir desta área, e está entre as praias mais populares de Malta por uma razão. É um belo areal com muitos cafés e bares, e também pode experimentar andar de caiaque no mar ou fazer windsurf aqui – tenha em atenção que pode ficar muito movimentada. A Reserva Natural de Għadira também fica a um passo da praia.

Aqueles que procuram algo mais tranquilo devem apanhar o autocarro para oeste até Għajn Tuffieħa, um local um pouco menos turístico conhecido pela sua areia macia avermelhada e pores-do-sol épicos. Aqui também estará perto da mais movimentada, mas igualmente bela, Golden Bay.

Para obter algumas das melhores vistas da ilha, vá até Ras il-Qammieħ. É um pouco mais difícil chegar a este miradouro, mas será recompensado com vistas deslumbrantes para o mar, ainda melhoradas pelo pôr do sol.

Locais para comer na área de St Paul’s Bay

Os restaurantes mediterrânicos e especificamente italianos prevalecem em St Paul’s, Qawra e Buġibba, com alguns bons restaurantes malteses à mistura também. Embora encontre muitas armadilhas para turistas aqui, cada cidade também tem a sua quota-parte de delícias gourmet, se souber onde procurar.

O pequeno restaurante La Stalla enquadra-se nesta última categoria. Um restaurante mediterrânico simples com preços razoáveis, que serve pizza, massa, marisco e muito mais. O restaurante íntimo Ta’ Bertu, por sua vez, está escondido à beira-mar e serve especialidades maltesas, como esparguete com molho de coelho.

Se quiser mimar-se, há alguns locais mais caros que valem o preço. O Lovage Bistro, com o seu menu fresco de inspiração mediterrânica, é um deles. Escolha entre peito de pato, robalo ou vegetais e rissóis de grão-de-bico.

Para os gulosos, a Sottozero – The Gelato Factory é uma das gelatarias mais populares da ilha. Fazem gelado tradicional ao estilo italiano e a sua impressionante lista de sabores vai desde bagas do bosque a Ferrero Rocher.

Melhores albergues na área de St Paul’s Bay

Ao contrário de Sliema e St Julian’s, você encontrará muito menos albergues para mochileiros na área de St Paul’s Bay. Paul’s Bay. Mas, em seu lugar, há uma abundância de hotéis e pousadas de baixo custo que atenderão aos mochileiros de passagem. As melhores opções neste local podem geralmente ser encontradas em Buġibba.

Uma escolha de topo é a Maltese Cross Guesthouse, localizada em Buġibba. Embora os quartos sejam privados, o terraço comum, a área de estar e a kitchenette contribuem para a sensação de albergue, e os anfitriões aqui vão além para fazer com que os viajantes se sintam confortáveis e bem-vindos. Você também está no coração da cidade, e apenas a momentos do mar.

Uma outra escolha económica é o The San Anton Hotel. Os quartos são simples mas confortáveis, com pormenores tradicionais, e há uma piscina exterior, um solário e um bar onde pode trocar dicas com outros viajantes.

Um pouco mais caro, mas uma boa opção se estiver apenas de passagem, é o Buccaneers Boutique Guesthouse, também em Buġibba. Espere quartos elegantes, uma piscina e pequeno-almoço de cortesia. Fique atento às ofertas regulares que também baixam o preço.

Gozo: área de bónus

Embora Gozo esteja separada da ilha principal de Malta, continua a fazer parte do arquipélago maltês e a maior parte dos mochileiros aproveita para a visitar no âmbito das suas viagens. Gozo tem imensas atracções e muita beleza natural na sua pequena extensão, pelo que precisará de mais do que um dia para conhecer a ilha.

Este é o local perfeito para regressar à natureza. Gozo é abençoado com uma deslumbrante linha costeira composta por dramáticas formações rochosas, grutas e praias de areia, e as suas zonas rurais estão repletas de trilhos para caminhadas.

Aqui, a vida também se desenrola a um ritmo mais lento. Gozo, no seu todo, é menos urbanizada do que a sua ilha irmã, Malta, o que significa que as suas praias de areia são mais calmas e as zonas rurais, repletas de quintas, são imaculadas. Há também muita história para descobrir, com as histórias de anos passados preservadas em incríveis sítios arqueológicos.

Gozo é também um paraíso para os amantes da gastronomia. Aqui, tudo gira em torno do hiper-local, com muitos dos pequenos produtores da ilha a darem as boas-vindas aos visitantes para conhecerem os seus processos tradicionais. Os viajantes podem descobrir fabricantes de azeite, ġbejniet (um produto de queijo feito de leite de ovelha), sal e muito mais.

Fique em Gozo para uma mudança de ritmo, um deleite para as papilas gustativas e um verdadeiro sentido de tradição.

where to stay in malta - gozo - rock formation by the sea

Imagem de JanneG

O que fazer em Gozo

Para começar com algumas vistas épicas de Gozo, dirija-se à Baía de Dwejra. Uma das partes mais dramáticas da costa, Dwejra é composta por penhascos escarpados e curiosas formações rochosas. A famosa Janela Azul desmoronou-se em 2017, mas esta continua a ser uma zona de uma beleza natural espantosa. A Rocha do Fungo, uma formação rochosa gigantesca no mar, é especialmente impressionante, sobretudo quando silhuetada pelo pôr do sol.

Dwejra (e especificamente o Buraco Azul) é também um local popular para a prática de mergulho. Se gosta de mergulhar, outros locais de topo incluem Reqqa Point e Billinghurst Cave.

Os viajantes também encontrarão algumas das melhores praias do arquipélago em Gozo. Uma eterna favorita é Ramla l-Hamra, uma bela extensão alaranjada rodeada por campos ondulantes. Permanece completamente intacta e recebe muito menos turistas do que as praias mais procuradas de Malta – as suas águas calmas são perfeitas para nadar e fazer snorkelling.

Infelizmente, a gruta de Calypso, que oferece vistas deslumbrantes sobre o areal, está atualmente interdita ao público. No entanto, se quiser visitar uma gruta de Gozo, dirija-se à Gruta de Ninu, na cidade rural de ix-Xagħra (que vale a pena passear). Passeie entre as cavernas, maravilhando-se com as estalactites, estalagmites e colunas naturais.

Outra coisa a não perder são os Templos de Ġgantija. Pensa-se que estas estruturas gigantescas de calcário datam dos anos 3000 a.C., e a lenda diz que foram construídas por gigantes. Terão sido muito provavelmente utilizadas para rituais e cerimónias, e o absorvente Centro Interpretativo aqui existente ajuda a acrescentar algum contexto a estas maravilhas feitas pelo homem.

Também vale a pena visitar a bela tapeçaria de salinas na costa norte de Gozo. Se vier no verão, é provável que veja trabalhadores locais a recolher o sal.

Gozo é também o local ideal para os aventureiros ao ar livre: faça um passeio a cavalo pelo campo, passeie de caiaque pelas tranquilas baías de Gozo (consulte o operador turístico Kayak Gozo) ou descubra os locais de escalada ao longo da costa rochosa da ilha.

Durante a sua estadia em Gozo, muitos viajantes também fazem uma viagem a Comino, outra ilha maltesa. Os ferries partem do porto de Mġarr, em Gozo, e o ponto alto de Comino é a bela Lagoa Azul, uma zona de praia de cortar a respiração, com areias brancas e águas turquesa.

Locais para comer em Gozo

A comida é uma experiência em Gozo. Há muitos restaurantes tradicionais, onde pode provar as iguarias locais e os produtos frescos, mas terá o melhor sabor da incrível cena gastronómica da ilha se visitar as quintas e os produtores locais.

Os gozitanos são ferozmente orgulhosos dos seus produtos, com os habitantes locais a produzirem produtos que vão desde tomates secos ao sol e azeite a queijos e chutneys. As tentativas obrigatórias incluem ġbejniet (ou cheeselets) servidos macios como estão, ou endurecidos com ervas, sal e/ou pimenta.

Uma experiência de agroturismo interessante é uma visita à bela propriedade de Ta’ Mena, que produz vinho, azeite, tomates secos ao sol, compotas e muito mais. Pode participar numa visita guiada e numa degustação, além de actividades divertidas como os seus churrascos de verão e as noites de pizza. As deslumbrantes vinhas, os olivais e as vistas do Vale de Marsalforn também são uma atração por si só.

Tal como em Malta, encontrará muitos produtos de pastelaria nesta ilha, incluindo os famosos pastizzi. Muitos pratos utilizam também o coelho e o maravilhoso marisco de Goza, enquanto os pratos vegetarianos de estilo mediterrânico são abundantes.

Um dos restaurantes mais conceituados da ilha é o Tmun Mgarr. Não é o sítio mais barato, mas também não é de partir a cara, e o restaurante é muito elogiado pelos seus excelentes pratos de marisco.

Ta’ Rikardu, por sua vez, está aninhado num espaço rústico (pense em tijolos expostos e mesas de madeira) e o proprietário produz o seu próprio queijo e vinho. Escolha a tábua de queijos, azeitonas e muito mais para um sabor perfeito de Gozo.

Os enófilos também devem provar um pouco de vinho gozitano aqui. Visite a Adega de Massar, uma bela propriedade boutique que oferece aos visitantes visitas guiadas e provas. Os amantes da cerveja também não ficarão desiludidos: a artesanal Lord Chambray é uma microcervejaria que também oferece visitas guiadas e provas.

Melhores hostels em Gozo

Gozo tem muitas opções de alojamento perfeitas para mochileiros. Em consonância com a própria ilha, os alojamentos tendem a ser descontraídos, com muitos lugares para aproveitar o sol gozitano. Escolha entre hostels boho e pensões rústicas, todos com um preço acessível.

O Santa Martha Hostel é um dos principais albergues para mochileiros da ilha. É básico mas super confortável, com quartos privados e pequeno-almoço gratuito. As áreas comuns arejadas são o local ideal para fugir ao calor de Gozo.

OPrisca’s Place Gozo também é uma óptima opção. Encontra-se na cidade velha de Victoria, a capital histórica de Gozo, e fica a uma curta caminhada das principais atracções, bares e restaurantes da zona. O hostel em si é despretensioso por fora, mas limpo e luminoso por dentro, com um par de dormitórios de seis camas. De manhã, passeie pela cozinha comum e planeie o seu itinerário com os outros hóspedes.

Aqueles que procuram um pouco mais de privacidade também vão adorar a Lantern Guesthouse. Está situada na cénica Marsalforn, um destino popular para os malteses e gozitanos nas suas férias de verão. É de gerência familiar e os anfitriões farão com que se sinta em casa desde o início, oferecendo dicas para explorar Gozo, além de refeições, se as desejar. Todo o local parecerá um lar longe de casa, com toques como almofadas coloridas, obras de arte e tapetes com padrões acolhedores. Todos os quartos são privados.

Esperamos que este guia o tenha inspirado a explorar este arquipélago frequentemente subestimado – e que o tenha ajudado a descobrir o local perfeito para acampar. Quer esteja à procura de um retiro na praia, de uma escapadela gastronómica ou de uma viagem rica em história, irá certamente encontrar a sua fatia ideal desta ilha mediterrânica. Veja a nossa lista completa de hostels em Malta e comece a planear a sua viagem.

Se já ficou alojado num dos nossos bairros recomendados ou se conhece outra zona que os companheiros de viagem não vão querer perder, diga-nos nos comentários abaixo. E, claro, boas viagens!

Sobre o autor:

Jacqui é uma escritora e editora de viagens freelancer. Quando não está na estrada, pode encontrá-la a comer no norte de Londres ou a perseguir cães em Hampstead Heath. Acompanhe as suas aventuras nos EUA, na Europa e não só no Instagram e no Twitter

Deixe um comentário

Get the App. QRGet the App.
Get the App. QR  Get the App.
Scroll to Top