19 Viajantes Latinas para Seguir no Instagram

Language Specific Image

Através da minha comunidade @latinaslovetravel, me conectei com algumas destemidas instagrammers latinas que inspiram sua audiência como nômades digitais, viajantes solo e fotógrafas. Conversei com elas para descobrir suas experiências enquanto viajantes latinas, seus lugares favoritos e quais hostels adorariam ficar.

1. Ashleytscn

Ashley é uma viajante-solo mexicano-americana que usa o Instagram para inspirar outras mulheres latinas com fotografias lindamente selecionadas de suas viagens por mais de 55 países ao redor do mundo.

“Eu me identifico como mexicana porque cresci falando espanhol e até hoje sigo muitos costumes do México. No entanto, reconheço plenamente que nasci e cresci nos Estados Unidos, o que significa que tenho certos privilégios e relativa segurança em alguns pontos. Eu não me encaixo nos moldes de “americana”, mas as pessoas também não me identificam como latina, a menos que eu diga alguma coisa. Meu tom de pele bronzeado, cabelos crespos e características ambíguas muitas vezes deixam as pessoas confusas sobre de onde sou, por isso sou constantemente questionada sobre minha etnia. Eu gosto de ver como as respostas podem ser variadas – do Brasil, Cuba, Índia, Indonésia, Tailândia, República Dominicana, Filipinas, do Oriente Médio ao Sri Lanka. Acho reconfortante saber que posso me misturar a tantas comunidades diferentes, especialmente quando estou viajando sozinha, pois isso permite que eu faça conexão com muitas pessoas e tenha boas conversas sobre meu passado e etnia”.

📲 Seguidores: 2,3k

Seu hostel favorito: Mambembe Hostel, no Rio de Janeiro, Brasil, onde eu e meus irmãos ficamos quando viajamos juntos para nossa primeira Copa do Mundo. Eu amei o Mambembe porque fica localizado em um dos bairros mais charmosos do Rio, nas colinas de Santa Teresa. Acordar com a vista para o Rio era espetacular.

📷@ashleytscn

2. _blueve

Evelyn é uma dominicano-afro-latina que usa sua conta no Instagram para espalhar consciência sobre as realidades de viver e viajar com epilepsia.

📲 Seguidores: 20,8k

“As pessoas normalmente pensam que sou afro-americana ou misturada. Estereótipos étnicos e discriminação estão obviamente no topo da lista de pontos negativos sobre viajar sendo uma mulher latina. As latinas estarão melhor representadas quando TODAS as mulheres de todos os grupos raciais tiverem a mesma aceitação, reconhecimento e inclusão. Nem todas de nós se parecem com a Sofia Vergara ou a JLo. Nossa comunidade tem uma diversidade racial que é eclipsada por métodos de branqueamento e racismo profundamente enraizados. É desanimador. Precisamos dar mais oportunidades às minorias. Eu curto a camaradagem que a comunidade latina divide quando nos reconhecemos, os latinxs sempre estarão lá para ajudá-lo se puderem. As limitações do meu passaporte dominicano são difíceis de lidar, mas se eu não puder ir para o exterior, vou me divertir da mesma forma nas lindas praias e cachoeiras do meu país”.

Seu hostel favorito: Um dos melhores hostels em que fiquei até agora foi a Casa Colibrí, em Palomino, Colômbia. Depois de uma estadia agitada em Santa Marta, nós precisávamos de uns dias relaxantes e por isso escolhemos este hostel. E ficamos apaixonados! A comida era saborosa e fresquinha, o ambiente era bem calmo e os donos super respeitosos e prestativos. Nota 10/10.

📷@_blueve

3. mapsandmuses

Michelle é cubano-americana e mostra o melhor de sua cidade natal Miami, Florida (em inglês)em seu feed do Instagram repleto de fotos de suas aventuras em lugares exóticos.

📲 Seguidores: 11k

“Quando as pessoas descobrem que sou cubana, sempre têm algo a dizer sobre Cuba, como são doidos para conhecer ou já conhecem e querem descrever a viagem inteira para mim. Estão sempre falando sobre o quão incrível e bela é Cuba, mas nunca mencionam as pessoas. Eu gosto de educar mais gente sobre a cultura cubana, o que pode ajudar a apagar alguns estereótipos que possam ter. Eu quero que mais pessoas que visitem Cuba conversem com o povo de lá para ouvir o que eles passaram e os apoiem de alguma forma. Também adoro conhecer outras latinas quando viajo. Não importa de que país elas são, um vínculo se forma imediatamente. Quanto mais viajantes latinos falam sobre nossas semelhanças e explicam nossa cultura, menos racismo haverá. Todos devem se orgulhar de onde são e compartilhar com o mundo”.

Seu hostel favorito: Uma das estadias em hostel mais memoráveis que tive foi em Chiang Mai, na Tailândia, no Absolute House. Um jovem casal e seu bebezinho são os donos do lugar, e foram super doces e atenciosos durante todo o tempo em que estivemos lá. Era a nossa primeira parada em uma viagem de duas semanas pela Tailândia, pela primeira vez na Ásia. O hostel tem uma ótima localização e podíamos andar até os mercados todos os dias. Eles também nos ajudaram com transporte quando precisamos. Eu amei que não fosse permitido usar sapatos dentro do hostel, e o lugar estava cheio de outros mochileiros.

📷@mapsandmuses/

4. cristyproca

A Cristina tem só 18 anos, mas essa viajante mexicana já esteve em 39 países!

📲 Seguidores: 820

“Sou muito orgulhosa de quem sou e aproveito qualquer oportunidade para conversar com as pessoas e ser uma embaixadora da comunidade latina. É importante incentivar outras mulheres latinas a viajar, mesmo que seja para o estado vizinho de onde elas vivem. Você sempre aprende com viagens e, como sabemos, conhecimento é poder, e somos poderosas”.

📷@cristyproca

5. fromabolivian

A Vanessa é uma fotógrafa boliviano argentina.

📲 Seguidores: 8,5k

“Você procura por contas de redes sociais de viajantes e vê, principalmente, mulheres loiras europeias ou americanas em belos cenários. Não seria ótimo ver latinas de pele escura e curvilíneas nesses cenários também? É importante que as latinas viajem para explorar outros lugares, suas terras ancestrais e ver outras culturas que lutam para se manterem vivas. Sou tradicionalista nesse sentido, de que devemos lutar para manter essas culturas indígenas vivas. Os bolivianos são um pouco inexistentes, as pessoas esquecem de nós. Eu me esforço para espalhar a palavra que falta sobre a representação sul-americana na cultura latina”.

📷@fromabolivian

6. marthamanz

A Martha é uma viajante venezuelano-italiana.

📲 Seguidores: 18,6k

“Sendo da Venezuela e vivendo com tantos problemas sociais, me sinto muito segura e preparada quando viajo. Sou muito independente e posso lidar com qualquer situação. Os latinos são super amigáveis e eu também, então é fácil me relacionar com pessoas diferentes ao redor do mundo. Tenho passaportes venezuelano e italiano, mas normalmente uso o italiano e, sem ele, minha história seria muito diferente. Toda vez que mostro para pessoas fotos de meu país, elas acham que é MÁGICO e PERFEITO, mas quando descobrem onde elas foram tiradas, ouço “Oh, meu Deus, como você vai até lá? Existem voos?”.

📷@marthamanz

7. ivy__chic

Ivone é uma mexicano-americana que viaja pelo mundo em grande estilo.

📲 Seguidores: 1.5K

“Sou uma mexicana orgulhosa e amo meu país. Represento a comunidade latina mostrando que não devemos ter medo de viajar. Nossos pais são superprotetores e viajar sozinha é algo que os deixa realmente preocupados! Quando comecei a viajar sem meus pais, eles não ficaram nada felizes com a ideia, e levei um bom tempo para convencê-los. Eu disse para minha família que queria fazer uma viagem sozinha um dia e eles acharam que eu era louca”.

Seu hostel favorito: Eu tive o prazer de ficar no Generator Hostel em Paris, a cidade do amor! É super moderno e tem um bar no terraço com vista incrível. Eles também têm um café delicioso, com ótimas refeições, uma mesa de pebolim e uma área para relaxar super aconchegante. O Generator Hostel, com certeza, será minha primeira escolha de hostel sempre que eu estiver na Europa.

📷@ivy__chic

8. meetadri

A Adriana é uma enfermeira peruana que mostra as incríveis paisagens, natureza e pessoas do Peru e de seu país adotivo, a Austrália.

📲 Seguidores: 1.6k

“Viajar como latina me beneficiou, pois as pessoas com quem me deparei têm muito interesse sobre a minha cultura. O Peru é um país de muita diversidade e beleza. Temos peruanos afrodescendentes, peruanos indígenas, asiáticos e brancos, e eu tento compartilhar isso com pessoas que ainda não sabem”.

Seu hostel favorito: Eu conheci os hostels em minha primeira viagem sozinha, e fiquei no USA Hollywood Hostels em Los Angeles, na Califórnia. Eu estava meio nervosa sobre me hospedar em um hostel, mas assim que cheguei no EUA Hollywood a equipe foi super simpática e havia muitas atividades para fazer! Ele fica, literalmente, logo depois de virar a esquina da Calçada da Fama de Hollywood.

📷@meetadri

9. flopereira

Flor é uma jetsetter argentina que compartilha dicas, truques e destinos ocultos de todos os lugares que ela visitou até agora, incluindo África do Sul, Hong Kong, Japão, Cingapura e Tailândia.

📲 Seguidores: 75,4k

“Vindo da Argentina, você está preparado para tudo, como quando as coisas não saem como o esperado ou quando as pessoas tentam tirar vantagem dos turistas; você consegue superar qualquer situação! Na maior parte do tempo, quando digo que sou da Argentina, as pessoas não sabem muito bem onde fica ou mencionam Maradona, Messi e o Papa Francisco. Eu gosto de pensar que sou uma representante do meu país; com o tempo, espero que mais pessoas percebam como a Argentina é especial”.

📷@flopereira

10. lewildexplorer

A Jeanine Romo é uma mexicano-americana que ama caçar aventuras.

📲 Seguidores: 2,9K

“Um dos benefícios de ser uma viajante latina é que você pode se relacionar com muitas pessoas quando viaja pela Américas Central e pela América do Sul (em inglês). É um alívio poder se comunicar bem com os moradores locais, o que me ajuda a entender melhor a cultura. A frustração de ser uma viajante latina é que às vezes você precisa tolerar o preconceito e algumas ideias erradas que as pessoas podem ter. Mesmo que eu diga que sou dos Estados Unidos, algumas pessoas me perguntam “de onde eu realmente sou”. Eu entendo, pois sou marrom e algumas pessoas podem não perceber que os latinos são a maior minoria dos Estados Unidos, mas sou tão americana, quanto sou mexicana. Como viajante latina, sinto que é minha responsabilidade dar um bom exemplo quando se trata de turismo ético, por isso eu gosto de lembrar meus seguidores de serem ambientalmente conscientes”.

Seu hostel favorito: Puri Garden em Ubud, Bali, é um dos melhores hostels que fiquei recentemente. Conheci pessoas incríveis, fiz Yoga de manhã cedinho e tive ótimos momentos curtindo a área da piscina. Aluguei uma moto e fui com meus novos amigos a aventuras por cachoeiras e plantações de arroz. Foi uma das melhores estadias de Bali.

📷@lewildexplorer

11. travel_wheretonext

Tessa é uma exploradora cubano-americana que tem como objetivo mostrar aos apaixonados por viagens que eles podem viajar para os destinos mais incríveis com qualquer orçamento.

📲 Seguidores: 46,3k

“Eu não percebi a minha sorte em ter um passaporte americano até começar a viajar para viver, já que muitos passaportes de outros países têm grandes limitações. Mas é algo que nunca vou dar como certo. Eu não sou logo identificada como latina. Meu espanhol não é perfeito, então as pessoas ficam surpresas em descobrir que sou cubano-americana. Mas não ser uma típica latina não me faz menos latina. Eu tento mostrar às pessoas que as latinas não têm apenas um visual. Somos um conjunto diversificado de indivíduos que podem ter aparências e modos de agir e falar bem diferentes”.

Seu hostel favorito: Um dos melhores hostels no qual me hospedei foi o Flying Pig, em Amsterdã. Foi meu primeiro hostel e minha primeira viagem ao exterior. As instalações divertidas são o que me mantém voltando para o mesmo hostel várias vezes.

📷@travel_wheretonext/

12. susyayala

Susy é uma viajante mexicana baseada em Hong Kong.

📲 Seguidores: 19,6k

“Quando as pessoas ficam sabendo que sou mexicana, elas assumem que sou uma boa dançarina de salsa. Adoro dançar e tenho bom ritmo, mas no México não somos tão bons quanto em outros países latino-americanos. Eu sou boa em superar estereótipos, mas fico triste quando leio coisas terríveis sobre o México (em inglês) ou mexicanos na mídia. Esse retrato feito pela mídia não representa a mim, minha família, meus amigos ou o lugar onde moro. Sou muito orgulhosa da minha herança latina e quero representar minha cultura da melhor maneira. E quero mais mulheres latinas viajando e compartilhando suas experiências”.

Seu hostel favorito: Em Siem Reap, fiquei mo maravilhoso Heaven Angkor Residence. Eles têm uma piscina deliciosa e o café da manhã foi excelente. A equipe foi super simpática e já no primeiro dia eles organizaram um passeio em grupo até os templos em Angkor. Eles fizeram com que nos sentíssemos muito seguros, confortáveis e felizes.

📷@susyayala

13. paulaespíndolas

A Paula é uma chilena viciada em viagens.

📲 Seguidores: 39,1k

“Já ouvi muitas pessoas dizendo que, antes de visitar o Chile, achavam que mal tínhamos carro ou internet. Isso me surpreende o tempo todo. Viajantes latinos podem mostrar ao mundo que a América Latina tem paisagens e pessoas incríveis. Nós, como viajantes latinas, temos a missão de mostrar às pessoas que somos independentes, fortes e podemos nos defender. Muitos países latino-americanos ainda são muito sexistas e acham que meninas não devem viajar sozinhas ou com uma amiga ou namorada, mas devem ter sempre um homem ao lado para se proteger dos horrores do mundo. Não precisamos de um homem. Nós podemos viajar por conta própria!”.

📷@voyviajanding

14. cyncynti

Cynthia é uma aventureira mexicana.

📲 Seguidores: 21,9k

“Os latino-americanos são muito simpáticos e acolhedores, o que é uma vantagem para nós quando viajamos. Viajar pode ser muito mais relaxante quando você está aberto a coisas novas. Onde quer que eu vá, digo de onde sou e recebo elogios sobre como o meu país é bonito e a comida é incrível. Isso me deixa orgulhosa. Mas às vezes, as pessoas comentam que somos todos criminosos ou que estão surpresos com o fato de eu poder viajar. As latinas devem viajar mais e ver o que está por aí, pois podemos trazer novas ideias para nossos países e ajudar a melhorar algumas coisas”.

📷@cyncynti

15. wanderlustbeautydreams

Stephanie é uma empreendedora colombiano americana.

📲 Seguidores: 5,5k

“As pessoas automaticamente ligam a Colômbia a Pablo Es cobar e acham que qualquer pessoa do país está envolvida com um cartel, faz cocaína, fez cirurgia plástica e assim por diante. Mas eu acho que é simplesmente ignorância e elas seguem o que já viram na TV. Mesmo que meu passaporte diga que sou americana, eu não tenho a aparência que pessoas de outros países acham que uma norte-americana deve ter. Eu tenho muito orgulho das minhas origens colombianas”.

Seu hostel favorito: Minha primeira experiência em hostel foi uma das melhores! Eu fiquei no The Generator em Barcelona, na Espanha, em minha primeira viagem à Europa. O Generator tem uma decoração e um ambiente incríveis! Eu amei tanto minha experiência lá, que procurei por outros lugares com um Generator para que pudesse me hospedar.

📷@wanderlustbeautydreams

16. ambarjanuel

Ambar é uma nômade méxico-americana.

📲 Seguidores: 33k

“Adoro poder ter vários idiomas para poder conversar com outras pessoas enquanto viajo. Ser capaz de falar espanhol e inglês realmente abriu meu mundo. Eu tenho tendência a me sentir bem próxima de minhas heranças mexicanas. Faço o meu melhor pra ajudar a educar outras pessoas sobre como é ser latina e quais foram minhas experiências. No México, as mulheres nem sempre são ensinadas a ser independentes ou que é seguro fazer uma viagem sozinha. É importante que a gente possa ajudar a empoderar mais mulheres, e que a gente compartilhe nossas experiência e incentive outras mulheres latinas a experimentar o mundo sem depender de ninguém! As latinas precisam se unir para evoluir juntas, em vez de se verem como concorrentes”.

Seu hostel favorito: Eu passei um período incrível no Hostel Suites DH na Cidade do México. Tinha uma localização perfeita, uma equipe ótima e os hóspedes tinham uma vibe deliciosa.

📷@ambarjanuel

17. katvilleda

Katherine é uma hondurenha americana com um objetivo inspirador de viajar para pelo menos um novo país por ano. Ela tem 24 anos e já viajou para mais de 25 países.

📲 Seguidores: 708

“Um estereótipo com o qual tenho que lidar é que sempre acham que ser latina significa automaticamente que você é mexicana e gosta de comida apimentada. As pessoas ficam surpresas quando digo que sou hondurenha, ou não sabem onde ficam as Honduras ou me falam sobre como o país é pobre e perigoso. Por isso, é importante que as latinas continuem viajando pelo mundo, para que as pessoas possam ficar mais conscientes e informadas sobre o que significa ser latina. Temos uma cultura linda e podemos quebrar estigmas sobre os latino-americanos”.

📷@katvilleda

18. faby_tinyglobetrotter

Faby é uma porto-riquenha que percorre o mundo com seu querido cachorro de resgate, Lazzy.

📲 Seguidores: 1,4k

“Não há muitas mulheres latinas no setor de viagens, e nunca conheci outra latina enquanto viajava. Precisamos de mais representação. As latinas têm receio em viajar, pois nossa cultura nos influencia a não correr riscos. Eu cresci achando que viajar sozinha não era uma opção. Vejo a mim mesma como um exemplo de que é ok se arriscar. Já conheci pessoas de diferentes países que, literalmente, não sabiam onde fica Porto Rico, então tive que pegar um mapa e mostrar. Também já conheci pessoas que pensam que ainda vivemos com os mesmos costumes e roupas de povos tribais de muitos anos atrás. Mas há um estereótipo latino que eu gosto e tento aproveitar ao máximo. Toda vez que conto a alguém que sou latina, eles associam isso à dança. Algumas pessoas até começam a dançar quando digo que sou de Porto Rico. Isso sempre me faz sorrir, e tenho muito orgulho dessa conexão”.

Seu hostel favorito: Eu gostei muito do The Lights Hostel em Málaga, Espanha. É um hostel pequeno, e por isso é fácil fazer amizade com outros hóspedes. O hostel tem um bar com jogos que deixa tudo bem mais divertido. Ficar nesse hostel deixou minha experiência em Málaga ainda mais memorável.

📷@faby_tinyglobetrotter

19. chasingsunsetsabroad

Sally é uma viajante domininicano americana que divide suas experiências de viagem na esperança de que elas inspirem outras pessoas, especialmente aqueles de origens socioeconômicas mais difíceis, a viajar mais.

📲 Seguidores 739

“Aprendi que minha arma mais poderosa é a educação. E percebi que muitas dessas ideias sobre viajantes latinas vêm da falta de conhecimento. Também aprendi a não julgar um todo país por uma única experiência; uma pessoa não define uma cultura inteira. A magnitude das experiências pelas quais passei como viajante parte de um grupo em minoria fez com que fosse mais fácil me colocar no lugar dos outros e entender suas perspectivas. Quanto mais viajo, mais me apaixono pela minha herança”.

Seu hostel favorito: Minha estadia no NJoy! em Cairns, na Austrália, foi uma das melhores experiências com hostels que tive até hoje. O hostel tem várias áreas sociais onde os viajantes podem ser encontrar e conversar, reservas gratuitas de passeios e pelo menos 2 ou 3 atividades por semana, o que é bem legal para os hóspedes.

📷@chasingsunsetsabroad

📚 Sobre a Autora 📚

Lola Méndez é uma blogueira de viagem apaixonada por explorar novos lugares e compartilhar suas aventuras no  Miss Filatelista enquanto aumenta sua coleção de carimbos no passaporte. Ela viaja para desenvolver sua visão de mundo e já explorou mais de 50 países. Apaixonada pelo turismo sustentável, ela procura por experiências éticas que beneficiem comunidades locais. Você pode segui-la no Instagram, Facebook, Twitter, Pinterest e LinkedIn.

Tem mais alguma viajante latina que você adore? Fala com a gente nos comentários! 👇

Deixe um comentário

Get the App. QRGet the App.
Get the App. QR  Get the App.
Rolar para o topo